segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Sobre o filme «Três Cartazes à Beira da Estrada» de Martin McDonagh, 2017















O grande trunfo deste filme é talvez o que o torna mais vulnerável. Enfim, incoerências de um espectador baralhado.

Ou seja, a alta comédia de contornos trágicos mede-se pela categoria dos diálogos que fazem de um western negro um grande painel de personagens à beira da desgraça e da gargalhada, com uma bela colherada de leite com cereais atirada ao cabelo do filho, órfão de irmã, lembrando a sátira do cinema mudo das tartes lançadas à cara do mauzão. Aqui não há figuras más nem figuras boas. Não há figuras sérias. Há figuras do teatro, mas do teatro verdadeiro. Todas se vão transformando em potenciais salvadores do mundo ou em «desgraçadores» da pequena comunidade de Ebbing, Missouri. E como nos melhores filmes americanos, aqui se fala das questões importantes que preocupam a América (e o Mundo), e que fornece um belo fim de tarde no cinema.

William Willoughby (Woody Harrelson), o ineficaz chefe da Polícia que devia andar a atrás dos violadores assassinos de adolescentes, afinal,  é o melhor pai de família e escreve cartas póstumas com arte e estilo salvando moralmente Mildred Hayes (Frances McDormand), a mãe atormentada e potencial assassina de potenciais violadores que, depois, se junta a Jason Dixon (Sam Rockwell), o mais estúpido e racista polícia de Ebbing que, afinal, se torna no ultra eficiente investigador forense mas que, no final, não obtém lá grande sucesso.

O melhor do filme é essa coerência trágica dentro da comédia e esta encerrada em diálogos constantes e loucos ajudando um argumento que, de tantas reviravoltas, permite que o enorme actor secundário, Sam Rockwell, se torne no actor principal, revelando ainda mais e por reflexo a grandiosidade expressiva de Frances McDormand.

Contudo, o dever (humorístico) do argumento de todas as pontas soltas (e são muitas) terem de bater certo antes do «the end» faz com que se dilua alguma chama dramática, alguma tensão de «palco». 

E, por belos argumentos matreiros e definitivos, enfim coboiadas geniais, vou rever «O Homem que Matou Liberty Valance» do John Ford, 1962.

jef, janeiro 2018.

«Três Cartazes à Beira da Estrada» (Three Billboards Outside Ebbing, Missouri) de Martin McDonagh. Com Frances McDormand, Woody Harrelson, Sam Rockwell, Woody Harrelson, Abbie Cornish, Lucas Hedges, Peter Dinklage. Grã-Bretanha / EUA, 2017, Cores, 115 min.

2 comentários:

  1. já está na calha.... ainda esta semana vou ver!!!

    ResponderEliminar
  2. Uma bela tarde de cinema. um filme cheio de comédia sarcástica! Abraço Rogério!

    ResponderEliminar